Aqui começa a minha jornada, no mundo maravilhoso do sentimento de SER "Simplesmente Avó"

Arquivo do mês: novembro 2016

Com esse tema a sua escolinha praticamente encerra as atividades do ano letivo, onde cada turma representou um país. A sua turma, o país escolhido foi o Japão. Lindas apresentações no teatro do Instituto Social da Bahia (ISBA) tendo a partipação de todo o corpo docente, alunos e auxiliares, para o deleite da família e amigos.

A mensagem que foi passada com a apresentação teatral do espetáculo de dança é de que independente de cultura, raça, cor, somos todos iguais. Aliás, acho super interessante a didática dessa escolhinha, onde as crianças aprendem de uma forma lúdica sobre tudo: folclore brasileiro, cultura local, estações do ano, fauna e flora etc.

“Quando reconhecemos a fonte comum da nossa humanidade, as origens comuns dos nossos sonhos e anseios, das nossas esperanças e dos nossos medos, tornamo-nos capazes de perceber que estamos todos juntos no grande milagre da existência. Quando conseguimos somar nossa enorme riqueza interior para criar um tesouro de amor e sabedoria que esteja ao alcance de todos, ficamos todos interligados no mecanismo único da criação eterna.” (OSHO)

Vou começar mostrando o vídeo geral da apresentaçãoo do festival com os paises homenageados e o da sua apresentação, feito pelo seu tio-dindo Marcelo, embora tenha ficado um pouco distante, dá para perceber a lindeza que vocês, pequeninos, apresentaram. Em seguida algumas fotos para registro. No vídeo, você é o primeiro do lado direito e no final de todas as apresentações você foi um dos escolhidos para entrar com a bandeira do Japão, já que esse foi o país da sua sala (registrado na última foto). A classe da sua tia Lala representou a África! Tudo muito lindo ❤ ❤

festival-somos-o-mundo

festival-de-danca

festival

festival-arthur

festival3

festival4

festival7

festival11

festival-japao

festival1

festival2

festival-estados-unidos

festival-brasil

festival16

festival15

festival14

festival13

festival12

festival10

festival9

festival8

festival-bandeira

Anúncios

Achei esse texto muito bom, pois me remeteu a minha infância, quando tudo o que achávamos pela frente era usado para momentos lúdicos, com muita criatividade

Um foguete, uma varinha mágica, um trem ou qualquer tipo de animal estão entre as muitas formas que um simples graveto pode tomar pela criatividade e imaginação (principalmente) das crianças. O exercício é importante para o desenvolvimento e para a construção autoral dos pequenos e, ter esta consciência, ajuda os adultos a garantir que haja momentos livres de brinquedos prontos.

Crianças podem e devem transformar qualquer objeto em brincadeira para estimular a criatividade, a imaginação e a capacidade de construir.

barco

Foto: Território do Brincar

boneca-de-capim

Capim e tecido se tornam ‘boneca em batizado’. Foto: Território do Brincar

Criadora da plataforma de brincadeiras Massacuca, Graziela Iacooca, conta que, ao contrário de muitos adultos, as crianças não precisam de instruções para brincar com objetos do cotidiano. “A nossa proposta é tirar o lúdico de objetos normais, o que a criança sabe fazer. Estamos ensinando os adultos a disponibilizar isso para os pequenos”, comenta.

O caso mais famoso é o tradicional baú de tesouros. Basta uma caixa, balde ou sacola e diferentes objetos da casa, como utensílios de cozinha em tamanhos e materiais variados. “Daí podem sair narrativas de histórias incríveis ou um bolo ou qualquer coisa que a criança queira e ela vai se divertir não apenas com os objetos, mas com a criação”, comenta Graziela.

Os mesmos objetos podem ser também contornados, congelados, ornamentados, mergulhados na água, enterrados e assim por diante. “Não somos exatamente contra brinquedos, mas contra o excesso de brinquedos e contra os que têm uma função específica”, explica.

O brincar espontâneo é objeto de pesquisa da cineasta Renata Meirelles. Por conta disso, viajou por 9 estados e estabeleceu-se em 14 comunidades diferentes durante 1 a 3 meses para estudar o assunto e produzir o documentário Território do Brincar, lançado este ano. “O foco foi sempre entender o que a criança faz, elas que dizem o que querem nos mostrar”, conta.

Ela e o marido viajaram com os dois filhos, agora com 6 e 8 anos, que também participavam das brincadeiras. Os destinos escolhidos foram locais com pouca estrutura como o Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, ou o Recôncavo Baiano.

“A gente viu muitas que não se utilizam de brinquedos comprados, industrializados, elas reúnem o nada e organizam para compor o que elas brincam”, explica, ainda com o encanto da riqueza percebida. “Nesta busca, ela consegue se ver representada por aquelas coisas que ela fez, compôs, arrumou. Cria um diálogo grande com quem ela é.”

Para ela, há um “sufocamento da própria infância” com a quantidade de brinquedos de que algumas são cercadas. “Mesmo os brinquedos mais comuns, como carrinhos e barquinhos, para os meninos, quando são feitos por eles, com latas, tábuas, chinelos, pneus e uma gama de objetos contam uma história e geram um vínculo diferente.”

Ela conta que impressionam os detalhes, por exemplo, em casinhas com panos colocados como toalhas de mesa e flores para decorar. “Foi incrível a diversidade de composições de brinquedos e brincadeiras”, comenta.

Os filhos levaram uma mala de brinquedos que também eram compartilhados e costumavam interessar às demais crianças. “Certamente se você falar que vai dar, eles querem, mas sabem distinguir. Eles dizem, por exemplo, que brinquedo comprado ‘quebra’, ou seja, os deles, em sua percepção, são apenas modificados.”

Texto completo em cartaeducação

 

 



%d blogueiros gostam disto: